Foto: 
Doutor Finanças

Cuidar das finanças pessoais é um dos primeiros passos para conseguir conquistar a tranquilidade financeira. Além de aumentar a qualidade de vida, saber lidar com o dinheiro nos permite ajudar também quem amamos.

Mas, como fazer isso de maneira simples? É possível se organizar criando pequenos hábitos que fazem a diferença.

Por isso, selecionamos as melhores dicas de finanças para você. E mais, muitas delas você pode colocar em prática agora mesmo.

Leia Também7 dicas de planejamento para organizar sua vida

13 dicas de finanças para organizar as contas em 2023

Quer transformar a sua vida financeira? Então comece com passos simples. Veja a seguir!

1. Se preocupe com o controle financeiro

Dificilmente você acumulará patrimônio se não aprender a lidar com seus ganhos.

Portanto, descubra como gasta o seu dinheiro com ajuda de um app de controle financeiro e planeje-se. Afinal, não adianta ter muito dinheiro se você não o utiliza a seu favor.

2. Registre tudo que entra e sai da sua conta

O valor de um cafezinho pode parecer que não vai impactar as suas finanças, mas se você não tiver controle sobre os pequenos gastos que são feitos no dia a dia, pode acabar ficando com o saldo negativo.

Por isso, é importante encontrar uma maneira de se adaptar melhor para criar o hábito de registrar cada ganho e gasto que tem em seu cotidiano.

Controle sua vida financeira com o Mobills, o melhor gerenciador financeiro do Brasil!

3. Defina um orçamento

Estabelecer um teto de gastos para as categorias de despesas mensais ajuda a economizar e evitar desperdícios.

Saúde, moradia, transporte e alimentação são algumas categorias essenciais, logo, devem ser priorizadas.

Portanto, defina um orçamento pensado em em seus gastos essenciais, desejos pessoais e objetivos. Separar uma quantia específica para usar com os gastos extras evita o consumo exagerado com itens desnecessários.

4. Necessidade

Fazer uma lista de compras é um passo fundamental para a organização. Dividir os itens nas categorias: “quero” e “necessito”, faz com que os produtos da segunda categoria tenham prioridade em relação aos da primeira.

Usar a técnica chamada 1 Q e 3 Ps pode ser uma ótima opção.  Você deve perguntar a si mesmo se realmente PRECISA do que quer adquirir, se pode PAGAR por aquilo, se o PREÇO está bom e se realmente QUER, evitando o impulso.

5. Organização

Um dos maiores problemas dos gastos com compras excessivas é a perda de controle por falta de organização.

Roupas, calçados, livros e tudo aquilo que leva ao desejo do consumo, sempre devem estar muito bem organizados e visivelmente dispostos, assim você não esquecerá daquilo que já tem e não precisa comprar.

6. Cuidado com o cartão de crédito

Inicialmente, uma compra de valor baixo no cartão de crédito pode parecer inofensiva, mas o acúmulo de pequenos gastos pode comprometer o orçamento dos meses seguintes.

Ao optar por pagamentos parcelados, inclua o valor da fatura no seu planejamento de compras. Mas, dê preferência por opções à vista, e evite ao máximo recorrer ao cheque especial.

7. Compare preços

Atualmente, com a ajuda da internet, pesquisar sobre a variação de preços de um mesmo produto pode render uma boa economia.

Os valores podem variar entre lojas físicas e online, além das multimarcas. Ficar atento aos cupons de desconto pode ser interessante também, pois um grande número de sites de compras, de quase todos os segmentos, oferece vouchers de descontos.

8. Corte de gastos

Em casos em que a renda mensal é menor ou próxima do total de gastos, a verificação de possíveis cortes é a melhor alternativa para evitar situações sufocantes em que a única saída seriam os empréstimos.

Atividades de lazer e entretenimento de alto custo podem ser substituídas por opções mais baratas e até mesmo gratuitas.

Além disso, conhecer e colocar em prática suas habilidades de forma criativa pode te ajudar a ganhar mais dinheiro.

9. Poupe mensalmente

Guardar mensalmente uma parcela da renda total traz grandes benefícios, principalmente a longo prazo. A construção de uma poupança gera uma segurança maior para a vida financeira.

Uma maneira de estimular essa poupança é estabelecer metas e aplicar o dinheiro em algum investimento que proporcione rendimentos.

10. Seja consciente ao consumir

Tudo bem gostar de coisas boas e querer o melhor para si mesmo e para a família. Contudo, tenha atenção aos gastos para que não acabe comprando aquilo que não necessita.

Reflita sobre suas reais necessidades e compre apenas o que precisa ou deseja, mas sem acabar contraindo dívidas.

Além disso, aprenda a controlar compras por impulso e faça um consumo mais consciente.

11. Evite os juros

Se você paga juros sobre qualquer bem ou serviço, tem alguém do outro lado ganhando com isto. Por isso, inverta o lado do jogo, utilize os juros compostos a seu favor e deixe que outros paguem juros.

Atrasar a fatura do cartão de crédito, por exemplo, pode fazer com que pague uma das mais altas taxas de juros do mercado.

Então, tenha um cuidado redobrado quando a situação envolver solicitação de crédito a juros.

12. Reserve para emergências

Imprevistos acontecem a qualquer hora, por isso é primordial ter uma quantia guardada para situações extremas.

A reserva de emergência pode variar dependendo dos gastos de cada pessoa, porém, normalmente ela representa seis vezes o valor do custo médio mensal e é essencial para alcançar a tranquilidade financeira.

13. Atenção aos bens que você adquire

Diversos bens que compramos não são os nossos melhores amigos. Um carro mais luxuoso provavelmente trará impostos, seguros e manutenções mais caras.

Da mesma forma, um apartamento maior provavelmente trará taxas maiores, e assim sucessivamente.

Ou seja, ao invés de te ajudar, estes bens geram dívidas. Sendo assim, busque investir em bens ou ativos que geram renda, como por exemplo, um imóvel para alugar.