Foto Reprodução –  FDR
A perda de um ente querido é um momento extremamente difícil e emocionalmente desafiador para toda a família. Além do impacto emocional, a morte de uma pessoa que era responsável pelo sustento da família também traz preocupações financeiras. No entanto, é importante considerar, de um ponto de vista racional, que existem benefícios aos quais os herdeiros têm direito, como o saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).


Quando um trabalhador falece, ocorre a extinção automática do seu contrato de trabalho. Não há necessidade de preocupação com multas por trabalho não realizado, pois a prestação de serviço é encerrada de forma imediata. Além disso, os herdeiros têm o direito de receber o saque do FGTS e outras verbas rescisórias.

Se o contrato de trabalho tivesse sido encerrado por outros motivos, como iniciativa do empregador, por exemplo, também haveria a liberação de verbas rescisórias. Nesse caso, os dependentes e/ou herdeiros legais têm o direito de receber esses valores em substituição ao funcionário falecido.

Saque do FGTS do trabalhador falecido
O saque do FGTS do trabalhador falecido é um direito de todo dependente e herdeiro, e pode ser realizado por meio da Caixa Econômica Federal. É possível retirar os valores acumulados durante os anos de contrato de trabalho, incluindo a quantia que estava bloqueada na conta inativa.

Para solicitar o benefício, é necessário seguir os seguintes passos:

Acesse o aplicativo FGTS e clique em “Meus Saques”.
Escolha a opção “Outras Situações de Saques”.
Selecione o motivo do saque como “Falecimento do Trabalhador”.
Leia as informações sobre as condições e documentações necessárias e clique em “Solicitar Saques FGTS“.
Informe o nome do trabalhador falecido, CPF e PIS/PASEP.
Faça o upload dos documentos requeridos, como documento de identificação e comprovante de parentesco.
Verifique os documentos anexados e confirme a solicitação.

Outros benefícios rescisórios
Além do saque do FGTS, os herdeiros e dependentes também têm direito a receber outros valores acumulados, como saldo de salários, férias e 13º salário proporcionais. Esses direitos estão previstos no artigo 1º do Decreto nº 85.845/1981.

Os dependentes ou sucessores têm direito aos seguintes valores, além das verbas rescisórias:

Quaisquer valores devidos pela União, Estado, Distrito Federal, Territórios, Municípios e suas autarquias aos respectivos servidores.
Saldos das contas individuais do FGTS e do Fundo de Participação PIS/PASEP.

Restituições relativas ao imposto de renda e demais tributos recolhidos por pessoas físicas.
Saldos de contas bancárias, cadernetas de poupança e contas de Fundos de Investimento, desde que não ultrapassem o valor de 500 Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional e não existam outros bens sujeitos a inventário.

É importante ressaltar que o direito ao saque do FGTS e outros benefícios rescisórios após o falecimento do trabalhador é garantido tanto ao cônjuge que comprovar a relação de casamento ou união estável quanto aos filhos que tenham até 21 anos. Não há limite de idade para filhos com deficiência.

Lembramos que o processo de solicitação do saque do FGTS e demais benefícios rescisórios pode variar e é necessário estar atento às condições e documentações específicas exigidas. Para obter mais informações sobre o saque do FGTS e outros direitos após o falecimento de um trabalhador, recomendamos entrar em contato com a Caixa Econômica Federal ou buscar orientação profissional especializada.